Justiça libera privatização de distribuidoras da Eletrobras
Publicado por: Josely Carvalho | Data: 12/06/18

Justiça libera privatização de distribuidoras da Eletrobras

O desembargador Fernando Antonio Zorzenon da Silva, presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região, com sede no Rio de Janeiro, acatou pedido da Advocacia-Geral da União (AGU) para suspender a liminar que impedia o processo de privatização de cinco distribuidoras da Eletrobras.

A decisão, tomada na segunda-feira (11), envolve a Amazonas Distribuidora de Energia S.A. (Amazonas Energia), as Centrais Elétricas de Rondônia (Ceron), a Companhia de Eletricidade do Acre (Eletroacre), a Companhia Energética de Alagoas (Ceal) e a Companhia Energética do Piauí (Cepisa).

Há uma semana, a juíza Raquel de Oliveira Maciel, do TRT-1, deferiu liminar a pedido de sindicatos que paralisava o processo. A magistrada fixava prazo de 90 dias um estudo sobre os impactos da privatização nos contratos de trabalho.

Na decisão, a juíza destaca que a Eletrobras, por meio das empresas distribuidoras de energia elétrica, possui 11.405 funcionários, sendo 6.277 contratados e 5.128 terceirizados, e que a proposta teria um forte impacto em seus contratos.

Risco de apagão

No pedido de suspensão da liminar, a AGU ressaltou que decisão da juíza colocava em risco o abastecimento de energia elétrica no Piauí, Alagoas, Acre, Rondônia, Amazonas e Roraima. “A alienação permitirá que a Eletrobras transfira sociedades ainda deficitárias, porém minimamente saneadas, para a iniciativa privada, com a manutenção da prestação do serviço público e de empregos”, argumentam.

A Advocacia-Geral também advertiu que se a venda dessas empresas não fosse feita até o dia 31 de julho deste ano, a Eletrobras seria obrigada “a liquidar as distribuidoras, o que será muito mais prejudicial aos empregados”.

Zorzenon, ao suspender a liminar, levantou dúvidas relativas à competência de Raquel Maciel para analisar o caso, uma vez que as distribuidoras que serão vendidas não estão localizadas no estado.

O desembargador também assinalou que é prematuro alegar que há ameaças aos direitos trabalhistas dos empregados da Eletrobras antes mesmo da publicação do edital de privatização, que deverá disciplinar como ficarão os contratos de trabalho atuais. E que, conforme a AGU havia argumentado, a legislação trabalhista brasileira (artigos 10 e 448 da CLT) já prevê a preservação dos direitos trabalhistas em casos de transferência de controle de empresas.

Fonte: G1 | (Foto: Divulgação)

DEIXE UM COMENTÁRIO


POSTS RELACIONADOS

Simões

A loja Mundo das Marcas, o Portal Cidades na Net e a Casa Bella eventos realiza mega Sorteio em Simões

Atenção! A loja Mundo das Marcas, Casa Bella Eventos e o Portal Cidades na Net vem proporcionar a você a chance de ganhar estes super prêmios e ingresso para o

NOTÍCIA DESTAQUE

Mais de 100 concursos abertos ofertam 15,7 mil vagas; veja a lista

Pelo menos 103 concursos públicos no país estão com inscrições abertas nesta segunda-feira (15) e reúnem 15.712 vagas para cargos em todos os níveis de escolaridade. Os salários chegam a

NOTÍCIA DESTAQUE

PATOS | Prefeito trabalha para abastecer famílias da zona rural com água nas residências

Em meio à estiagem que castiga a região do semiárido, o acesso à água tem se tornado cada vez mais difícil. Sensibilizado com a situação, o prefeito do município de

NOTÍCIA DESTAQUE

No Piauí, ministro diz que Parque Serra da Capivara será prioridade do Governo Federal; fotos

Em agenda no Piauí, o ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho, abriu, nesta quarta-feira (1º), a programação da Semana do Meio Ambiente durante visita ao Parque Nacional Serra da

NOTÍCIA DESTAQUE

Bandidos são mortos em tentativa de assalto aos Correios no Piauí

Dois bandidos ainda não identificados foram mortos durante uma tentativa de assalto na manhã dessa segunda-feira (19), por volta das 08h, nos Correios de Pedro II, localizado no Centro da

NOTÍCIA DESTAQUE

Sancionada a lei que obriga exposição de produtos pra celíacos e diabáeticos no Piauí

Foi sancionada na segunda-feira (23), pela governadora (em exercício) Margarete Coelho, a Lei Nº 7.007 de 24 de julho de 2017, de autoria do deputado estadual Luciano Nunes (PSDB),  que