No Piauí, quase metade da população permanece com renda per capita inferior a R$ 420 por mês
Publicado por: Josely Carvalho | Data: 09/11/19

No Piauí, quase metade da população permanece com renda per capita inferior a R$ 420 por mês

Uma pesquisa divulgada nesta semana pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revela que em 2018 mais de um quarto da população brasileira possuía rendimentos  per capita inferiores a US$ 5,50 PPC por dia, o que equivale a aproximadamente R$ 420 mensais por pessoa.

O valor, que equivale a cerca de 44% do salário mínimo vigente em 2018, é considerado pelo Banco Mundial limite para classificação pessoas na linha da pobreza.

Os dados são da Síntese de Indicadores Sociais que assinala que, no Piauí, o índice deste patamar de renda é ainda maior, chegando a 41,9% o que corresponderia a aproximadamente 1,3 milhão de pessoas com renda per capita abaixo de R$ 420 por mês. O número representa uma pequena redução em relação a 2017, quando o índice per capita era de 44,6%.

Nordeste

O índice do Piauí nesse quesito é menor do que a média do Nordeste, que registrou 43,6%, maior valor entre as regiões. A região Norte chegou a marca de 41,3% da população com renda per capta de US$ 5,50 PPC por dia, seguida do Centro Oeste, com 16,4%; Sudeste, 16,3% e Sul com 12,1%.

Teresina é a 6ª capital com maior índice de pobreza

Os índices de renda nesse patamar de pobreza são menores, estatisticamente, nas capitais dos estados. Em Teresina, por exemplo, o percentual em 2018 era de 29,3%, ainda acima da média nacional. No entanto, ao contrário de diminuir no último biênio, o número aumentou 3,1% em relação a 2017 quando o índice era de 26,2%.

Em termos de quantitativo populacional, nesse período houve um aumento de 224.272 para 251.980 pessoas em situação de pobreza. Quando analisamos o indicador a partir do início da série histórica em 2012, percebemos que o menor valor foi observado no ano de 2014, quando atingiu 19,9% da população. Em 2018 Teresina ficou na sexta colocação dentre os maiores indicadores das capitais do país, acima da média observada para o Brasil, que foi de 25,3% da população, e abaixo da média registrada no Piauí, que foi de 41,9%. Capitais como Macapá, São Luís, Recife, Manaus e Maceió possuem índices mais graves.

No que diz respeito ao indicador da situação de pobreza extrema, Teresina também apresentou um aumento no período de 2017 a 2018, tendo passado de 3,2% para 5,3% da população. Em termos de quantitativo populacional houve um crescimento de 27.392  para 45.580 pessoas em situação de pobreza extrema. Quando analisamos o indicador a partir do início da série histórica em 2012, percebemos que o menor valor foi observado no ano de 2014, quando atingiu 0,7% da população.

Em 2018 Teresina ficou na décima segunda colocação dentre os maiores indicadores das capitais do país, abaixo da média registrada para o Brasil, que foi de 6,5% da população, bem como abaixo da média observada para o Piauí, que foi de 14,2%.

No Brasil

A proporção nacional de pessoas com rendimento abaixo de US$ 5,50 PPC por dia apresentou queda entre 2012 e 2014, quando registrou o menor nível, 22,8% da população.

“A partir de 2015 observou-se um crescimento na proporção de pobres até atingir 26,0% em 2017. Já em 2018, houve redução de 0,7 ponto percentual nesta proporção em relação ao ano anterior, mas ainda em patamar superior ao de 2014 e atingindo aproximadamente 52,5 milhões de pessoas”, aponta o estudo.

O estudo do IBGE também revelou um aumento da extrema pobreza no Brasil. No Piauí a população nessa situação chegou a 14,2% em 2018.

Trabalho e pobreza

A pesquisa revelou que a inserção no mercado de trabalho não é condição suficiente para superar a pobreza. Dentre os ocupados, por exemplo, 14,3% possuíam rendimento domiciliar per capita inferior a R$ 420 reais mensais.

Cor e raça

Mais uma vez os dados do IBGE mostram uma relação das estatísticas sociais com o fator cor e raça. Em 2018, pessoas de cor ou raça preta ou parda tiveram rendimento médio domiciliar per capita de R$ 934. O rendimento médio das pessoas de cor ou raça branca é de quase o dobro, chegando a R$ 1.846.

Rendimento domiciliar

Em 2018, mais da metade das pessoas (57,6%) possuíam rendimento domiciliar per capita de até R$ 954,00.

Os estados com os maiores rendimentos estavam nas Regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, com destaque para o Distrito Federal, que possuía o maior rendimento médio, no valor de R$ 2.407. Os estados com os menores rendimentos estavam todos nas regiões Norte e Nordeste, sendo o menor deles no Maranhão (R$ 607).

Fonte: IBGE/2019

Fonte: Cidadeverde.com

sobre o autor

DEIXE UM COMENTÁRIO


POSTS RELACIONADOS

NOTÍCIA DESTAQUE

Polícia Militar prende homem que esfaqueou duas pessoas em Valença do Piauí

Na tarde deste sábado (13), policiais da Força Tática da 2ª Cia. do 4º BPM de Valença do Piauí, foram acionados para atender uma ocorrência de tentativa de homicídio. O

NOTÍCIA DESTAQUE

Divulgada terceira atração do Picos Fest Berro 2019

A terceira atração do Picos Fest Berro 2019 foi divulgada pela organização de um dos maiores eventos realizados que tratam sobre caprinocultura, no interior do Estado do Piauí. A organização

POLÍCIA 0 Comments

Polícia já sabe quem matou a menina Beatriz em Petrolina

Um ano e três meses após o brutal assassinato da pequena Beatriz Mota, de sete anos, que morreu ao ser atingida por 42 golpes de faca durante uma festa de