Funcionários denunciam comida estragada na Maternidade Dona Evangelina Rosa
Publicado por: Francieldo Araújo | Data: 14/03/19

Funcionários denunciam comida estragada na Maternidade Dona Evangelina Rosa

Funcionários da Maternidade Dona Evangelina Rosa denunciam nesta quarta-feira (13), ao GP1, que estão sofrendo de uma infecção gastrointestinal após ingerir almoço fornecido pela maternidade na terça-feira (12).

Segundo uma das vítimas, que não quis se identificar, todos no hospital foram acometidos pela infecção. “Aqui na maternidade Dona Evangelina Rosa está todo mundo com diarreia. Gestante, acompanhante, funcionário, residente, tudo por conta da comida que foi servida aqui ontem”, denunciou.

Ainda segundo o denunciante, a empresa terceirizada responsável pelo fornecimento de comida teria oferecido comida requentada. “Ontem a partir do almoço todo mundo começou a ficar doente. A suspeita é que a empresa responsável pelo fornecimento, estaria servindo comida requentada”, finalizou.

Outro lado

Procurada, a assessoria de comunicação da Maternidade Evangelina Rosa ficou de dar um posicionamento, o que não aconteceu até a publicação desta matéria.

 

 

 

Fonte: GP1/ *Com informações do repórter Jonas Carvalho


ACOMPANHE O PORTAL NAS REDES SOCIAIS:
@cidadesnanet
Facebook.com/cidadesnanetoficial

sobre o autor

DEIXE UM COMENTÁRIO


POSTS RELACIONADOS

Simões

NUCA realiza caminhada em Simões e distribui cartazes educativos em escolas

A comissão intersetorial do Selo Unicef e o Núcleo de Cidadania dos Adolescentes (NUCA), realizaram na última segunda-feira (15), uma marcha pelas ruas do município de Simões, como parte das

GERAL

DER está melhorando estradas do Piauí

O Governo do Estado, por intermédio do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), realizou, nos sete meses, importantes intervenções em estradas estaduais que vêm melhorando a rotina da população. Doze

GERAL

‘Já vi muitas epidemias, mas nada assim’, diz médica sobre microcefalia

A infectologista pediátrica pernambucana Maria Angela Rocha, de 67 anos, acompanhou desde o início a epidemia de microcefalia que agora assusta o país. Ela é coordenadora do setor do Hospital