Governo prevê economia de R$5 bi em 2015 com MP 665, afirma Barbosa
Publicado por: Cleilson Silva Almeida | Data: 23/05/15

Governo prevê economia de R$5 bi em 2015 com MP 665, afirma Barbosa

O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, disse nesta sexta-feira, 22, que o governo prevê uma economia, para 2015, de R$ 5 bilhões com a Medida Provisória 665, que endureceu o acesso ao seguro-desemprego e ao abono salarial.

Segundo Barbosa, essa estimativa leva em conta o texto aprovado pela Câmara, que foi flexibilizado em relação ao editado pelo Executivo no final do ano passado.

Ele informou ainda que a economia esperada pelo governo com essa medida e com a MP 664, que trata do auxílio-doença e da pensão por morte, era de R$ 18 bilhões, mas isso antes das alterações feitas pelo Congresso.

“Seria melhor ter aprovado a MP o mais rápido possível, mas o Congresso é soberano”, disse.

Barbosa disse que o Orçamento de 2015, quando enviado ao Congresso em agosto, já levava em conta os novos parâmetros e as reformas defendidas pela equipe econômica nesse tema.

Educação

Os programas de financiamento estudantil do Ministério da Educação (MEC), não ficaram de fora do corte orçamentário.

O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, afirmou que o Pronatec terá novas vagas este ano mesmo com o contingenciamento, mas não tanto quando se planejava inicialmente. “Teremos vagas, mas não o montante que estava previsto”, afirmou.

Perguntado sobre um possível corte de ministérios, Barbosa afirmou que isso não resultaria em uma redução significativa de gastos porque as pastas criadas eram secretarias e houve uma transferência de obrigações.

“Não há a expectativa de o governo refazer a estrutura. A criação de ministérios reflete as importâncias e prioridades que o governo tem”, disse.

Minha Casa, Minha Vida

O orçamento do Minha Casa Minha Vida, preservado após o bloqueio de despesas anunciado hoje, ficou em R$ 13 bilhões. Segundo o ministro Barbosa, o valor é “compatível com o esforço” de contenção de gastos e garante o término das obras que estão com ao menos 70% de andamento. “Isso vai incluir uma adequação do cronograma dos projetos que tem um porcentual abaixo dos 70%”, revelou.

Segundo ele, os projetos serão mantidos, mas o ritmo vai se adequar ao “novo limite orçamentário”. “O ritmo de execução que vai ter de se adequar ao novo limite financeiro”, disse.

Ele também afirmou que a previsão de gastos no programa prevê o lançamento da terceira fase do Minha Casa Minha Vida, no segundo semestre. Barbosa disse que o valor aprovado pelo Congresso para o programa era de R$ 19,9 bilhões.

Barbosa ressaltou o esforço do governo para manter o gasto com pessoal estável e de manter esse custo no mesmo nível do ano passado. “Estamos fazendo esforço para manter esse gasto estável nos próximos anos”.

O ministro do planejamento afirmou que o esforço com gasto de pessoal é mais importante do que o corte ministerial.

Transportes

O ministro Barbosa disse que o orçamento preservado para o Ministério dos Transportes vai garantir 100% dos recursos para que 14 obras de conclusão e duplicação de rodovias sejam terminadas.

Segundo ele, nas ferrovias a prioridade será completar a Norte-Sul e o pagamento dos trilhos da oeste-leste.

Já os gastos discricionários do Ministério da Agricultura foram cortados em R$ 1,395 bilhão, sobrando R$ 2,306 bilhões para investimentos e outras despesas não obrigatórias na pasta. Esse ajuste deve ser detalhado pela pasta nos próximos dias.

No Desenvolvimento Agrário, o ajuste foi de R$ 1,844 bilhão, sobrando R$ 1,892 bilhão. Os ministérios que mais foram impactados foram Cidades (-R$ 17,232 bilhões), Saúde (-R$11,774 bilhões), Educação (-R$ 9,423 bilhões), Transportes (-R$ 5,735 bilhões) e Integração Nacional (-2,162 bilhões).

Abono salarial

O governo, disse Barbosa, não recuou nas negociações com o Senado sobre o abono salarial. Segundo ele, o governo aceitou negociar um possível veto num trecho da Medida Provisória 665 que trata da carência mínima para o pagamento do abono. O texto enviado pelo governo prevê um prazo de 90 dias, enquanto a exigência atual é de um mês.

“A liderança do governo no Senado sinalizou que é importante que o governo abra a discussão sobre esse tema”, disse Barbosa, ponderando, no entanto, que não se está discutindo a proporcionalidade, mecanismo pelo qual a equipe econômica repassa o abono salarial proporcional ao tempo trabalhado.

Ainda segundo o ministro, o governo vai dar sua posição sobre o pleito dos senadores na próxima semana, embora o líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), tenha anunciado ontem que o Planalto concordava com o pedido. (Ricardo Della Coletta, Victor Martins, Lorenna Rodrigues, Rachel Gamarski e João Villaverde)

Fonte: Com informações da Exame

sobre o autor

DEIXE UM COMENTÁRIO


POSTS RELACIONADOS

GERAL

Prefeituras poderão dar nova destinação para UPAs paradas, diz ministro na CMO

A identificação de 636 construções interrompidas de unidades de pronto atendimento (UPAs) no país e o desmembramento da Secretaria de Atenção à Saúde (SAS) para atender melhor os municípios estão

POLÍTICA

Câmara de Belém aprova PL que abre crédito adicional no orçamento para construção de sede do CRAS

Um Projeto de Lei, um  Requerimento e duas Indicações  foram votados e aprovados na primeira  sessão do segundo período legislativo  da Câmara Municipal de Belém do Piauí, realizada  nesta sexta-feira,

POLÍTICA

Fernando Haddad tem 41%, Bolsonaro e Ciro empatados no Piauí, revela Opinar

Uma semana oficializado pelo PT candidato à Presidência da República, o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad registra uma subida vertiginosa no estado. De acordo com o Instituto Opinar, o