Lei do Acompanhante garante que parceiros acompanhem gestantes durante o parto
Publicado por: Junior Oliveira | Data: 12/08/17

Lei do Acompanhante garante que parceiros acompanhem gestantes durante o parto

Gestantes podem ser acompanhadas pelo pai da criança ou pelo parceiro durante todo o período do trabalho de parto, ao longo do parto e também após o procedimento em todas as instituições do Sistema Único de Saúde (SUS), segundo a Lei do Acompanhante.

O Ministério da Saúde indica que a participação do pai durante o parto garante um melhor atendimento para a parceira. O acompanhamento também traz benefícios como alívio da dor, menor duração do trabalho de parto e diminuição da taxa de depressão pós-parto, além do reforço dos laços afetivos da família.

Segundo o responsável pela Área Técnica de Saúde do Homem do Distrito Federal, enfermeiro Bruno Santos de Assis, a presença traz benefícios inquestionáveis não apenas para a gestante.

A Lei do Acompanhante é valida tanto para parto normal quanto para cesariana, e a presença do acompanhante não pode ser impedida pelo hospital, pelos médicos, enfermeiros ou por qualquer outro membro da equipe.

“A participação do pai em todo o ciclo, desde o teste até o pós-parto, fortalece os vínculos familiares. Esse homem vai conhecer mais os problemas que podem estar relacionados à gravidez, vai buscar mais informações, aprofundar o conhecimento, para dar apoio à esposa e participar com ela dessa fase de mudanças, dúvidas e inseguranças”, afirma o especialista.

Para acompanhar o parto, não pode ser exigida participação em cursos de formação ou outras atividades semelhantes. Caso o direito ao acompanhante seja negado, a família pode procurar a Ouvidoria do Ministério da Saúde, pelo telefone 136.

Amamentação

Neste mês é celebrado o Agosto Dourado, para incentivar a amamentação. O especialista do GDF ressalta que os pais devem oferecer toda a assistência necessária para que o período seja prazeroso para a mãe.

“Ele [o pai] deve ajudar dando apoio à mãe em todas as tarefas do lar. Também pode ajudar segurando a criança, dispondo dos objetos necessários e deixando eles próximos à mãe, impondo limite a visitantes e familiares que podem interferir com palpites e auxiliando caso a mãe possa doar leite”, exemplificou. “Ele tem que entender que não é um momento fácil, é exaustivo e gasta energias da mãe e do bebê.”

Fonte: Portal Brasil

DEIXE UM COMENTÁRIO


POSTS RELACIONADOS

GERAL

Maior reservatório do Nordeste tem seca histórica

Maior reservatório do Nordeste, a Barragem de Sobradinho passa por uma das piores secas da história, que afeta a geração de energia elétrica, o abastecimento dos municípios da região e

Simões

Em busca de soluções para falta de água, prefeito de Simões visita a barragem Poço de Marruá

O Prefeito de Simões Doge, sec. De obras Zé Ulisses, o chefe do escritório da Agespisa em Simões Genival Barbosa, Vereadores Luciano César, Zezé Morais, Pedro Custódio e Ademir  fizeram hoje uma visita a

GERAL

Jovem ciclista é atropelada por moto e morre em município do Piauí

A jovem ciclista Francisca Sousa, de apenas 20 anos, morreu no final da tarde de quinta-feira (27), na BR- 343, próximo ao pórtico da entrada da cidade de Piracuruca. Ela

GERAL

APPM| Primeira reunião no ano debate a queda no FPM e folha de pagamento

O presidente reeleito da Associação Piauiense de Municípios- APPM , Arinaldo Leal se reuniu na manhã desta sexta-feira (09/01) com alguns prefeitos para definir planos e metas para o ano

GERAL

Governo prevê salário mínimo de R$ 788 para 2015

A ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão, Miriam Belchior, anunciou nesta quinta-feira (28) que o Projeto de Lei Orçamentária (Ploa) elaborado pelo governo prevê salário mínimo de R$ 788,06 a

GERAL

Professores são capacitados para atender aluno com deficiência na rede pública

O Centro de Formação dos Profissionais da Educação Básica Antonino Freire realizou uma capacitação para os professores voltados para a educação inclusiva. A proposta é qualificar os profissionais que atuam