Lei do Acompanhante garante que parceiros acompanhem gestantes durante o parto
Publicado por: Junior Oliveira | Data: 12/08/17

Lei do Acompanhante garante que parceiros acompanhem gestantes durante o parto

Gestantes podem ser acompanhadas pelo pai da criança ou pelo parceiro durante todo o período do trabalho de parto, ao longo do parto e também após o procedimento em todas as instituições do Sistema Único de Saúde (SUS), segundo a Lei do Acompanhante.

O Ministério da Saúde indica que a participação do pai durante o parto garante um melhor atendimento para a parceira. O acompanhamento também traz benefícios como alívio da dor, menor duração do trabalho de parto e diminuição da taxa de depressão pós-parto, além do reforço dos laços afetivos da família.

Segundo o responsável pela Área Técnica de Saúde do Homem do Distrito Federal, enfermeiro Bruno Santos de Assis, a presença traz benefícios inquestionáveis não apenas para a gestante.

A Lei do Acompanhante é valida tanto para parto normal quanto para cesariana, e a presença do acompanhante não pode ser impedida pelo hospital, pelos médicos, enfermeiros ou por qualquer outro membro da equipe.

“A participação do pai em todo o ciclo, desde o teste até o pós-parto, fortalece os vínculos familiares. Esse homem vai conhecer mais os problemas que podem estar relacionados à gravidez, vai buscar mais informações, aprofundar o conhecimento, para dar apoio à esposa e participar com ela dessa fase de mudanças, dúvidas e inseguranças”, afirma o especialista.

Para acompanhar o parto, não pode ser exigida participação em cursos de formação ou outras atividades semelhantes. Caso o direito ao acompanhante seja negado, a família pode procurar a Ouvidoria do Ministério da Saúde, pelo telefone 136.

Amamentação

Neste mês é celebrado o Agosto Dourado, para incentivar a amamentação. O especialista do GDF ressalta que os pais devem oferecer toda a assistência necessária para que o período seja prazeroso para a mãe.

“Ele [o pai] deve ajudar dando apoio à mãe em todas as tarefas do lar. Também pode ajudar segurando a criança, dispondo dos objetos necessários e deixando eles próximos à mãe, impondo limite a visitantes e familiares que podem interferir com palpites e auxiliando caso a mãe possa doar leite”, exemplificou. “Ele tem que entender que não é um momento fácil, é exaustivo e gasta energias da mãe e do bebê.”

Fonte: Portal Brasil

DEIXE UM COMENTÁRIO


POSTS RELACIONADOS

GERAL

Dormir de lado “limpa o cérebro” e pode evitar doenças como Alzheimer

Cientistas da Universidade de Stony Brook, nos Estados Unidos, descobriram que dormir de lado ajuda a diminuir as chances de desenvolver Alzheimer, Parkinson e outras doenças neurológicas. Segundo o estudo,

ESPORTES

Juventude vence 15º Campeonato de Futebol do Poço de Juazeiro em Simões

Foi realizada no último sábado, 27, a final do Campeonato de Futebol do Poço de Juazeiro, zona rural de Simões. A final foi disputada pelos times, Juventude da localidade Sítio

GERAL

Igreja Universal é condenada a pagar R$ 300 mil a fiel por prometer cura do HIV

Um ex-fiel da Igreja Universal do Reino de Deus vai receber uma indenização de R$ 300 mil após ter sido influenciado pela igreja a deixar o tratamento contra Aids. Por

GERAL

Sete cidades estão sem energia há quase 20 horas no Piauí

Sete cidades estão sem energia há cerca de 17 horas no Piauí. São elas: Altos, Pau D’arco, Novo Santo Antônio, Beneditinos, Alto Longá, Coivaras e Prata do Piauí. De acordo

GERAL

Água gera negócios milionários no semiárido

Na entrada da cidade de Paulistana (470 quilômetros ao sul de Teresina) avista-se uma placa, à esquerda, anunciando a venda e entrega de água em domicílio. Basta você ligar, dizer

GERAL

Em entrevista ao JN, piauiense procurador do Cade defende coexistência de táxis e Uber

A polêmica entre o aplicativo Uber e os taxistas chegou ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). O Uber, que oferece, pela internet, transporte particular, chegou ao Brasil há um