Em Campo Grande, prefeito Baiá fala sobre política e descarta rompimento com a família Ramos
Publicado por: Danilo Bezerra | Data: 15/05/19

Em Campo Grande, prefeito Baiá fala sobre política e descarta rompimento com a família Ramos

De acordo com a legislação eleitoral vigente, em 2020 acontecerão as eleições para escolha do prefeito, vice-prefeito e vereadores nos municípios brasileiros. Embora falte mais de um ano para o pleito, o assunto já começa a ser bastante discutido nos bastidores da política. É o que está acontecendo em Campo Grande do Piauí, onde são muitas as especulações sobre formação de chapas nos grupos da situação e da oposição.

O prefeito João Batista de Oliveira, que está à frente do Governo Municipal e exerce o seu terceiro mandato, comentou sobre as especulações e disse que enxerga como algo normal, mas contestou algumas, afirmando a manutenção da união do seu grupo político.

“Muitos torcem por um desentendimento entre eu a família Ramos [do vice-prefeito Elias], mas essa possibilidade por questão de candidatura é zero, é zero.”, disse, dirigindo elogios aos seus aliados, destacando a sua tradição na política, a luta pela emancipação política de Campo Grande do Piauí e o reconhecimento popular.

As especulações de desentendimento entre Baiá e Elias Ramos seriam em torno da candidatura a prefeito. Baiá, no entanto, descarta a possibilidade e afirma que não vai impor candidatura. “Não é porque eu sou prefeito que eu tenho obrigação de ir para reeleição, quem dá direito o político a ser candidato são os partidos e a população, a aceitação popular.”, disse.

O atual prefeito afirmou que pode abrir mão da cabeça de chapa para apoiar aliados. “Eles [os Ramos] confiaram em mim para ser candidato a prefeito, mas não é só eu quem mereço ser apoiado, será que eles também não tem o direito de ter o apoio da minha pessoa? […] Essa vaga está aberta para família Ramos e para os nossos aliados, como o Gilson do PT. Nós estaremos unidos.”, disse.

Na entrevista, o prefeito Baiá foi indagado sobre seu posicionamento em relação a Proposta de Emenda à Constituição – PEC 49/2019, que propõe a prorrogação dos mandatos atuais por mais dois anos, com o objetivo de unificar as eleições em 2022.

“Eu acho muito difícil mudar as regras na metade do jogo. […]Quem tem o direito de prorrogar o mandato de um político é o povo. Esse direito eu acho que não deve ser tirado do povo. A população é quem pode prorrogar no voto.”, disse o prefeito, salientando que muitos deputados tem pretensão de ser candidato a prefeito nas cidades.

Baiá entende como importante a unificação das eleições, mas acredita que isso aconteceria através de uma eleição para mandato-tampão, de dois anos, unificando as eleições para 2022, ou realizando as eleições em 2020 para um mandato de seis anos, unificando em 2026.

 

sobre o autor

DEIXE UM COMENTÁRIO


POSTS RELACIONADOS

Dom Plínio baixa decreto e proíbe a celebração de Missa de posse em toda a Diocese de Picos

Alegando que a eucaristia deve conservar seu caráter eclesial e público, inclusive da participação do povo de Deus, o bispo diocesano, dom Plínio José Luz da Silva, proibiu a realização

NOTÍCIA DESTAQUE

Motociclista morre esmagado por carreta no Piauí

Um acidente entre motocicleta e carreta na avenida Centenário, bairro Aeroporto, zona norte de Teresina, nesta quinta-feira (07), deixou uma pessoa morta. A vítima, identificada como Anísio Felipe do Nascimento,

NOTÍCIA DESTAQUE

Prefeitura de Alegrete do Piauí investe na pavimentação de ruas e inicia obras de 5 mil m² de calçamentos

A Prefeitura Municipal de Alegrete do Piauí está executando mais uma importante obra de melhoria da infraestrutura urbana. Desta vez, a obra contempla o setor de mobilidade, com a pavimentação