Em Campo Grande, prefeito Baiá fala sobre política e descarta rompimento com a família Ramos
Publicado por: Danilo Bezerra | Data: 15/05/19

Em Campo Grande, prefeito Baiá fala sobre política e descarta rompimento com a família Ramos

De acordo com a legislação eleitoral vigente, em 2020 acontecerão as eleições para escolha do prefeito, vice-prefeito e vereadores nos municípios brasileiros. Embora falte mais de um ano para o pleito, o assunto já começa a ser bastante discutido nos bastidores da política. É o que está acontecendo em Campo Grande do Piauí, onde são muitas as especulações sobre formação de chapas nos grupos da situação e da oposição.

O prefeito João Batista de Oliveira, que está à frente do Governo Municipal e exerce o seu terceiro mandato, comentou sobre as especulações e disse que enxerga como algo normal, mas contestou algumas, afirmando a manutenção da união do seu grupo político.

“Muitos torcem por um desentendimento entre eu a família Ramos [do vice-prefeito Elias], mas essa possibilidade por questão de candidatura é zero, é zero.”, disse, dirigindo elogios aos seus aliados, destacando a sua tradição na política, a luta pela emancipação política de Campo Grande do Piauí e o reconhecimento popular.

As especulações de desentendimento entre Baiá e Elias Ramos seriam em torno da candidatura a prefeito. Baiá, no entanto, descarta a possibilidade e afirma que não vai impor candidatura. “Não é porque eu sou prefeito que eu tenho obrigação de ir para reeleição, quem dá direito o político a ser candidato são os partidos e a população, a aceitação popular.”, disse.

O atual prefeito afirmou que pode abrir mão da cabeça de chapa para apoiar aliados. “Eles [os Ramos] confiaram em mim para ser candidato a prefeito, mas não é só eu quem mereço ser apoiado, será que eles também não tem o direito de ter o apoio da minha pessoa? […] Essa vaga está aberta para família Ramos e para os nossos aliados, como o Gilson do PT. Nós estaremos unidos.”, disse.

Na entrevista, o prefeito Baiá foi indagado sobre seu posicionamento em relação a Proposta de Emenda à Constituição – PEC 49/2019, que propõe a prorrogação dos mandatos atuais por mais dois anos, com o objetivo de unificar as eleições em 2022.

“Eu acho muito difícil mudar as regras na metade do jogo. […]Quem tem o direito de prorrogar o mandato de um político é o povo. Esse direito eu acho que não deve ser tirado do povo. A população é quem pode prorrogar no voto.”, disse o prefeito, salientando que muitos deputados tem pretensão de ser candidato a prefeito nas cidades.

Baiá entende como importante a unificação das eleições, mas acredita que isso aconteceria através de uma eleição para mandato-tampão, de dois anos, unificando as eleições para 2022, ou realizando as eleições em 2020 para um mandato de seis anos, unificando em 2026.

 

sobre o autor

DEIXE UM COMENTÁRIO


POSTS RELACIONADOS

NOTÍCIA DESTAQUE

MEC tem agora secretarias para alfabetização e escolas militares

Com a posse do presidente Jair Bolsonaro e do ministro Ricardo Vélez Rodríguez foram feitas, esta semana, mudanças na estrutura do Ministério da Educação (MEC). A pasta passa a contar

NOTÍCIA DESTAQUE

Fundação Municipal de Saúde confirma oito mortes por H1N1 em Teresina

Um boletim divulgado nesta terça-feira (29), a Fundação Municipal de Saúde informou que Teresina registrou oito óbitos por H1N1. No último informe da FMS, quatro pessoas haviam morrido em decorrência de complicações

NOTÍCIA DESTAQUE

Seis pessoas são feitas reféns durante assalto em Francisco Santos

Por volta das 07h00 desta quinta-feira, 31, dois homens armados realizaram um assalto a um supermercado no Centro de Francisco Santos. De acordo com o comandante do Grupamento da Polícia