JAICÓS | Crisanto divulga nova carta aberta e relaciona dívidas herdadas da gestão passada
Publicado por: Danilo Bezerra | Data: 17/11/14

JAICÓS | Crisanto divulga nova carta aberta e relaciona dívidas herdadas da gestão passada

O ex-prefeito e atual secretário municipal de Saúde, Antônio Crisanto de Sousa Neto, voltou a se pronunciar sobre a crise financeira que afeta o centenário município de Jaicós. Em nova carta aberta, o gestor afirma que o município está em situação de falência e relaciona débitos herdados da última gestão, quando o município foi administrado pelo ex-prefeito Ozanam Barros (PTB).

Leia a carta abaixo:

Amigos e amigas jaicoenses, saúdo a todos na paz de Cristo.

Inicialmente, em meu nome e do grupo político que aqui represento, queremos penhoradamente agradecer os votos de confiança que nossos candidatos receberam nessa eleição de 2014.

Queremos também comunicar ao generoso e compreensivo povo jaicoense que: em virtude da difícil situação financeira por que passa nosso município; igualmente, em razão da Lei de Responsabilidade Fiscal que, com suas regras drásticas nos impõe limites; e por não querermos terminar este mandato com muitas dívidas e de maneira melancólica, como aconteceu com o mandato anterior; queremos comunicar que a prefeita Waldelina Crisanto, com coragem e determinação, mas com tristeza e o coração constrangido, resolveu tomar uma série de medidas, medidas duras e impopulares, a fim de equilibrar as finanças municipais.

A prefeitura de Jaicós vive atualmente um dos seus piores momentos. Os recursos que entram no município são insuficientes para atender as necessidades da administração. E o que mais dificulta a administração de Jaicós, são os débitos da gestão anterior.

Não deu mais para ficarmos inertes, nem calados. A situação chegou a tal ponto, que temos de agir imediatamente, se quisermos terminar este mandato.

A maior parte dos nossos recursos, por força da justiça, é consumida pagando obrigações do gestor que nos antecedeu. Essa é a verdade.  É lamentável o que a justiça nos faz. Deixamos de pagar nossas obrigações para pagar obrigações de outro.

A situação de falência do município de Jaicós se deve em parte ao governo federal, com a diminuição do FPM e a não correção dos recursos dos inúmeros programas que Brasília nos impõe, e em parte à irresponsabilidade com que foi tratada a coisa pública nas administrações de 1983/1988 e de 2009/2012.   

Esses dois mandatos deixaram marcas indeléveis no nosso Jaicós. Feridas que jamais cicatrizarão.  Jaicós, por todos os séculos dos séculos, sofrerá as consequências dessas duas desastrosas administrações.

Vejam as feridas:

– SALÁRIOS ATRASADOS DA GESTÃO PASSADA (mais de R$ 800.000,00). Todos os meses a justiça nos faz pagar em torno de R$ 25.000,00 de causas trabalhistas da gestão anterior.

– PREVIDÊNCIA SOCIAL – INSS. Está matando os municípios brasileiros. Logo que Waldelina tomou posse, a Previdência, no dia 10/01/2013, meteu a mão na conta do FPM e retirou mais de R$ 200.000,00, referentes aos recolhimentos dos meses de outubro, novembro e dezembro de 2012 que não foram pagos.

Mensalmente, pagamos um parcelamento do INSS de R$ 10.600,00. Esse parcelamento é perpétuo. Enquanto Jaicós existir, ele será cobrado; porque o valor das parcelas é menor que a correção do imenso débito do 1º mandato do gestor anterior. O saldo devedor, por consequência, será sempre crescente.

– FUNPREJ – Fundo de Previdência dos Servidores Municipais. A gestão anterior deixou de recolher ao FUNPREJ, patrimônio dos servidores municipais, R$ 619.000,00. Negociamos esse débito em 240 parcelas de R$ 5.113,00. Afora isso, sacou criminosamente, no mês 09/2012, R$ 621.605,00 de uma das contas do FUNPREJ.

– ELETROBRAS – Pagamos em torno de R$ 17.000,00/ mês de parcelamentos de débitos anteriores, e R$ 68.000,00 do consumo/mês referentes à iluminação das ruas, prédios públicos e poços tubulares.

– PRECATÓRIOS TRABALHISTAS – Todos os meses o povo de Jaicós é sangrado em R$ 35.000,00 de causas trabalhistas do 1º mandato do gestor anterior. Essa ferida também nunca cicatrizará, porque o valor que é pago não corresponde à correção do saldo devedor, que será sempre crescente.

– AGESPISA – Um débito de R$ 18.632,00 da gestão anterior foi dividido em 24 parcelas de R$ 776,35.

– CONSTRUÇÃO DA CRECHE-FNDE – Para que a obra seja concluída, negociamos um débito de R$ 90.000,00 da compra do terreno da creche e de R$ 78.000,00                        da parte do município na construção da creche.

–  ESCOLA DE 6 SALAS – Está em construção. Negociamos um débito de R$ 134.000,00 em 22 parcelas de R$ 6.090,91.

– ILUMINAÇÅO PÚBLICA – É dever do cidadão, contribuir para o pagamento da iluminação das ruas da cidade.  O que se arrecada de contribuição sobre iluminação pública, é algo em torno de R$ 12.000,00/ mês. A prefeitura paga atualmente uma fatura de mais ou menos R$ 28.000,00/mês. Temos aí um déficit de 16 mil reais, que não deveria existir, se a gestão anterior, contando com a Câmara, tivesse reajustado o valor dessa contribuição. Não o fez.  A prefeita Waldelina Crisanto, no ano passado, enviou à Câmara Municipal o projeto de reajuste que até hoje não foi votado. É mais uma sangria de R$ 16.000,00 dos cofres do município, que poderia ser evitada, se a Câmara Municipal agisse pensando no bem do município, e não na política do “quanto pior, melhor”.   

– HOSPITAL FLORISA SILVA – Esse hospital, com a municipalização da saúde, passou à administração do município. Os recursos que o hospital recebe mensalmente do governo federal, são os mesmos que recebia há 5 anos. O dinheiro não dá para pagar todas as despesas. Tudo aumentou de preço nesse período, principalmente a folha de pagamento. O hospital hoje precisa de uma injeção de mais de R$ 45.000,00/mês.  Isso a prefeitura vem fazendo com muita dificuldade.

Durante os 4 anos da administração anterior, a conta de luz do hospital nunca foi paga. Quando Waldelina assumiu tivemos que parcelar o débito. Hoje, pagamos desse parcelamento, R$ 2.736,00/mês, fora o consumo, que somados perfazem um total de mais ou menos R$ 7.500,00 mensais.

– OPERADORA DE TELEFONIA CELULAR – Herdamos um débito de mais de R$ 5.000,00.

– OPERADORA DE TELEFONIA FIXA – Débito herdado de R$ 3.067,20.

– EMPRÉSTIMOS CONSIGNADOS – A gestão anterior deixou de recolher aos bancos mais de R$ 20.000,00 de empréstimos consignados.                        

– COLETA DO LIXO – A empresa de um amigo, contratada na administração anterior, está indevidamente cobrando na justiça R$ 80.000,00(NOV e DEZ/2012) que não foram pagos.

– POSTO DE COMBUSTÍVEL EM PICOS cobra também na justiça R$ 26.000,00.

– POSTO DE COMBUSTÍVEL EM JAICÓS vai receber na justiça R$ 82.000,00.

– SALDO DE CAIXA – Para coroar tudo isso, ainda nos deixou na prestação de contas final em caixa com mais de R$ 540.000,00; quando no dia 01 de janeiro de 2013 não foi encontrado um centavo sequer no cofre da prefeitura.

OUTRAS CAUSAS DA SITUAÇÃO FALIMENTAR DO MUNICÍPIO:

– A EQUIPE DE MÁQUINAS  que o governo federal entregou ao município nos criou uma despesa superior a R$ 30.000,00 /mês, com pessoal, combustível e pequenas manutenções.

– CASA DE APOIO EM TERESINA – O município de Jaicós vinha oferecendo transporte e hospedagem às pessoas carentes que necessitavam de tratamento de saúde em Teresina. Infelizmente, muita gente, que tinha condições financeiras de pagar essas despesas, abusava desses serviços. É tanto que as despesas com transporte, hospedagem, cuidadores e clínicas em Teresina passavam dos R$ 30.000,00/mês.

– ABASTECIMENTO D’ÁGUA NA ZONA RURAL – É outra situação que pesa muito nas despesas do município.  Quando você soma a folha da equipe de manutenção dos poços, a folha dos operadores de poços, o aluguel do transporte usado pela equipe de poços, despesa com talões de energia de mais de 50 poços, a despesa com óleo diesel, com conserto de motores, com troca de bombas submersas, isso soma mais de R$ 85.000,00/mês.

Todos esses fatores provocaram o desequilíbrio das contas da prefeitura, levando ao atraso no pagamento dos fornecedores, dos prestadores de serviço e por último até de folha de pagamento de algum setor da administração.

Como MEDIDAS DE CONTENÇÃO DE DESPESA a prefeita Waldelina Crisanto resolveu:

1 – Rescindir o contrato de aluguel do veículo de 16 assentos que transportava as pessoas para Teresina;

2 – A casa de apoio em Teresina não mais estará disponível, até que encontremos uma maneira mais em conta de atender a quem realmente necessita;

3 – Parar, por algum tempo, a equipe de máquinas que consome muito combustível;

4 – Diminuir o número de veículos locados;

5 – Repassar para a administração do SISAR ou de outra entidade, diversos sistemas de abastecimento d’água;

6 – Devolver ao Estado do Piauí a administração do Hospital Florisa Silva.

7 –  Para se adequar à Lei de Responsabilidade Fiscal a prefeita foi obrigada a dispensar dezenas de contratados, e exonerar 95% dos ocupantes de cargos comissionados e de confiança.

Por tudo isso pedimos ao valoroso povo jaicoense, aos servidores municipais, aos fornecedores e aos prestadores de serviços: desculpas, compreensão e paciência. Àqueles que perderam seus vínculos com a prefeitura pedimos perdão.

Não foi fácil. Foi a sensação de “cortar na própria carne”.

QUE DEUS NOS PROTEJA.

Jaicós,08/11/14

Do irmão de vocês,

Crisanto Neto.

 

sobre o autor

DEIXE UM COMENTÁRIO


POSTS RELACIONADOS

POLÍTICA

Parlamentares do Piauí estão entre os melhores no ranking da Veja

Os integrantes da bancada federal do Piauí em Brasília – entre senadores e deputados federais – figuram em um ranking divulgado neste sábado (27) pela revista Veja entre os melhores

NOTÍCIA DESTAQUE

Homem incendeia viatura da Polícia Militar em Dom Expedito Lopes

Um homem ateou fogo em uma viatura da Polícia Militar por volta das 03h30min na madrugada deste domingo,04, no bairro Codó, em Dom Expedito Lopes. Segundo o Cabo Altamar, um

POLÍTICA

Presidente Dilma recebe Título de Cidadania em Paulistana

A presidente Dilma Rousseff (PT) foi homenageada com o ‘Título de Cidadania Paulistanense’ durante sua visita às obras da Ferrovia Transnordestina, ocorrida nesta sexta-feira (11) no povoado Serra Vermelha, zona