Zé Filho e João Henrique têm audiência marcada com Michel Temer
Publicado por: Odaliana Carvalho Veloso | Data: 13/08/16
Comments 0

Zé Filho e João Henrique têm audiência marcada com Michel Temer

Na próxima terça-feira (16), o ex-governador e presidente da Federação das Indústrias do Estado do Piauí (FIEPI), Zé Filho, estará em audiência com o presidente interino Michel Temer, na cidade de Brasília-DF.

Acompanhado de Zé Filho, o presidente do Conselho Nacional do SESI, João Henrique Sousa, o Diretor de Assuntos Econômicos da FIEPI, Freitas Neto e os empresários Robério Cantalice, Francisco Marques, Roger Jacob e Gilberto Pedrosa também participarão da reunião, onde serão tratados assuntos de interesse do Piauí.

O presidente da FIEPI, que declarou está articulando com os demais presidentes de federação de indústrias, sobretudo as do Nordeste, tem afirmado que o segmento empresarial começou a trabalhar em bloco, o que favorece o entendimento com o Governo Federal.

“Já estivemos com o presidente Michel Temer em outros momentos e ele tem reafirmado que pretende manter esse diálogo com a classe empresarial. Nós que representamos a indústria piauiense fomos convidados para formalizar nossas demandas. É por isso que estamos levando um documento com a pauta construída com os segmentos industriais”, explicou Zé Filho.

GP1

sobre o autor

DEIXE UM COMENTÁRIO


POSTS RELACIONADOS

POLÍTICA

Em audiência, Elmano defende orçamento para barragens

A Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR) do Senado Federal realizou audiência pública para discutir a fiscalização e recuperação das barragens. O senador Elmano Férrer (Podemos), autor da proposta

POLÍTICA 0 Comments

W. Dias e Marcelo Castro usam do mesmo discurso em viagens no PI

Se, durante o carnaval em Picos, o deputado federal Marcelo Castro (PMDB) disse ao 180graus que o povo está com ele, o senador Wellington Dias (PT), também pré-candidato ao governo do Piauí,

POLÍTICA

PT entrará com Adin no STF contra decreto sobre posse de armas, diz deputado

O PT vai entrar com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin), no Supremo Tribunal Federal, para tentar sustar os efeitos do decreto assinado nesta terça-feira, 15, pelo presidente Jair Bolsonaro