Conselheiro diz que decisão do STF fere de morte a Lei da Ficha Limpa
Publicado por: Odaliana Carvalho Veloso | Data: 11/08/16
Comments 0

Conselheiro diz que decisão do STF fere de morte a Lei da Ficha Limpa

O Tribunal de Contas do Estado (TCE-PI) classificou de retrocesso no combate à corrupção e nos esforços para moralizar a gestão pública, a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que retira dos Tribunais de Contas a competência para julgar as contas de prefeito que age como ordenador de despesas. Pela decisão do STF, proferida no julgamento do Recurso Extraordinário nº 848826, na sessão de quarta-feira (10), só as câmaras de vereadores podem declarar a inelegibilidade de prefeitos que cometem irregularidades.

O tema foi objeto de ampla discussão na sessão plenária desta quinta-feira (11). O conselheiro-substituto Jaylson Campelo, que é diretor da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon), disse que a decisão do STF compromete seriamente a eficácia do trabalho de combate à corrupção e à impunidade realizado pelos Tribunais de Contas. “Esta decisão fere de morte a Lei da Ficha Limpa, que retira da vida pública os gestores que cometem desvios, fraudes e outras irregularidades apontadas graças a um trabalho estritamente técnico dos Tribunais de Contas”, disse ele.

A conselheira Lílian Martins, o conselheiro-substituto Jackson Veras e o procurador-geral do Ministério Público de Contas (MPC-PI), Plínio Valente, também se manifestaram contra a decisão. O conselheiro Olavo Rebelo, que presidiu a sessão desta quinta, disse que os Tribunais de Contas precisam buscar novas formas e mecanismos para cumprir seu papel constitucional de controle externo e de defesa da sociedade contra os maus gestores.

Para ele, a fiscalização concomitante e o rigor no combate às licitações fraudulentas, por exemplo, são formas eficazes de impedir desvios e garantir a aplicação correta dos recursos públicos. O presidente do TCE-PI, conselheiro Luciano Nunes, disse que a decisão do STF, além de comprometer a efetividade da Lei da Ficha Limpa, desqualifica o julgamento dos gestores públicos e ameaça esvaziar o papel dos Tribunais de Contas, especialmente no tocante às sanções e às decisões de ressarcimento de recursos quando de prejuízo ao erário.

A decisão gerou debate e reação dos tribunais e das entidades que congregam representantes de órgãos de fiscalização e de controle externo de todo o país. Em nota oficial, a Atricon disse que a decisão sela a vitória da injustiça e da impunidade. “Representa um imenso retrocesso no controle das contas governamentais e vai na contramão dos esforços populares e suprapartidários de combate à corrupção e de moralidade na gestão dos recursos públicos”, diz a nota, assinada pelo presidente da Atricon, Valdecir Pascoal, conselheiro do TCE-PE.

Com informações do TCE

sobre o autor

POSTS RELACIONADOS

DESTAQUES

Mais um óbito por coronavírus é registrado em Picos

Conforme o boletim do Hospital Regional Justino Luz (HRJL), divulgado às 20h, desta quinta-feira, 20 de agosto, o município de Picos registou mais uma morte por coronavírus. Segundo o boletim, o

Caldeirão Grande do Piauí

Municípios do interior são considerados os mais violentos do Piauí, diz Atlas da Violência

Três municípios do interior do Piauí são considerados os mais violentos do estado, de acordo com o Atlas da Violência, pesquisa divulgada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) nesta

DESTAQUES

Polícia Militar do Piauí descarta concurso para 2019

O subcomandante Geral da Polícia Militar do Piauí, Coronel Sousa Filho, confirmou para a nossa reportagem que para o ano de 2019 não tem previsão para concurso público para a