Conecte-se conosco

DESTAQUES

Criança de 4 anos que viu a mãe ser assassinada no Piauí, pediu para que padrasto não a matasse

Publicado

em

A criança de 4 anos, que presenciou o assassinato da mãe, pediu que o padrasto não cometesse o crime, ao presenciá-lo com uma faca na mão, diz os familiares da vítima. O crime ocorreu no dia 19 de julho, mas o suspeito, que é um empresário, proprietário de uma farmácia em Piracuruca, se entregou à polícia somente nesta semana.

O empresário, identificado como Rocha Brito, está preso e confessou o homicídio da companheira na cidade de Piracuruca. O casal manteve uma relação amorosa por um ano, e
moravam na mesma casa há três meses.

De acordo com a investigação policial, durante uma discussão com a companheira, o empresário a golpeou seis vezes com uma faca. A vítima morreu no local.

Na hora do crime,  o suspeito fugiu do cenário. Quando a polícia chegou a casa, após receber a informação do homicídio, a criança estava sozinha com a mãe e disse que o “pai Rocha” teria matado a mãe dela.

A polícia fez diligência e chegou a localizar o empresário na zona rural do município, mas ele abandonou o carro e empreendeu fuga pela mata. Dias depois, ele se entregou na Delegacia Regional de Piracuruca, onde recebeu voz de prisão.

O delegado Hugo de Alcântara relata que o “suspeito, companheiro da vítima, se apresentou na presença de um advogado. Foi dado cumprimento ao seu mandado e feito o interrogatório”.

“Durante o interrogatório, o indiciado se defendeu alegando legítima defesa ou questão de acidente, dizendo que a vítima era ciumenta e estaria correndo atrás dele com uma faca. O laudo pericial já foi emitido para a delegacia; já temos o laudo pericial, tanto o cadavérico como o de local de crime, falta apenas uma diligência”.

O delegado ressalta que o crime foi praticado na presença de uma criança, e isso agrava a pena. “O preso já se encontra recolhido e à disposição da Justiça”.

Relação Abusiva

Os familiares de Francisca Soares questiona a defesa do empresário e afirmam que a vítima vivia uma relação abusiva.

Eles também relatam o depoimento da criança, que contou aos parentes  que ela estava no quarto quando o empresário pegou uma faca na cozinha. “Ela disse ‘pai Rocha não mata a minha mãe. Ele começou a esfaquear ela, E ele diz que foi legítima defesa”, diz a irmã da vítima, Fátima Alves.

A irmã também relata uma discussão do casal em que o empresário disse para a mãe de Francisca que iria matá-la.

“Ele começou a falar que ela não valia nada, que ela era uma mulher indecente, que ele era um empresário. Nesse exato momento, a (nossa) mãe ainda tava lá.  Ela pediu: ‘olha, não xinga a minha filha, ela não merece isso”. Ele mandou ela sair da frente porque não estava ‘cabendo na história porque eu quero que a sua filha diga o que está aprontando’, sendo que ela era uma prisioneira dentro de casa. Ele disse: ‘vou dar três tiros na cara da sua filha’, sendo que um mês atrás ele já tinha prometido de dar um tiro (na companheira)”.

Carlienne Carpaso
cidadeverde.com

Publicidade

Facebook

MAIS ACESSADAS