Veja como votaram os deputados piauienses no pedido de urgência da reforma trabalhista
Publicado por: Odaliana Carvalho Veloso | Data: 19/04/17
Comments 0

Veja como votaram os deputados piauienses no pedido de urgência da reforma trabalhista

O Plenário da Câmara dos Deputados rejeitou nesta terça-feira (18) o requerimento de urgência da proposta de reforma trabalhista (PL 6787/16). Foram 230 votos favoráveis, 163 contrários e uma abstenção, mas eram necessários 257 votos para aprovar a urgência. Sete, dos dez deputados federais do Piauí votaram a favor.

O requerimento encurtaria os prazos para votação em Plenário, possibilitando sua análise na próxima quarta-feira. Agora, o projeto precisa seguir os prazos regimentais na comissão que analisa o tema.

A rejeição da urgência foi comemorada por deputados da oposição, que gritaram palavras de ordem e criticaram a proposta. “Esta votação mostra que, havendo mobilização da rua, se a sociedade lutar, nós podemos derrotar os projetos deste governo. Tentaram atropelar a votação da reforma trabalhista, mas não conseguiram”, disse o deputado Paulo Pimenta (PT-RS).

Veja como votaram os deputados do Piauí

Vice-líder do governo, o deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) minimizou o resultado. “Perdemos essa votação, mas foi uma batalha. Não perdemos a guerra e vamos transformar o País. Reforma se faz com dificuldades e com muito foco. O relatório virá para cá e nós vamos ganhar”, afirmou.

O relatório do deputado Rogério Marinho (PSDB-RN) sobre a reforma trabalhista amplia o poder dos acordos entre patrões e empregados sobre a legislação; faz ressalvas à recém-aprovada lei sobre terceirização (13.429/17); regulamenta o teletrabalho; e retira da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) a obrigatoriedade da contribuição sindical para trabalhadores e empregadores.

A proposta torna regra geral a prevalência dos acordos coletivos, enquanto o texto original previa a negociação mais forte que a lei em apenas 13 pontos. Agora, pelo texto de Marinho, o rol dos casos de acordo coletivo maior que a legislação é apenas exemplificativo e traz 16 temas, como banco de horas, parcelamento de férias e plano de cargos e salários. Por outro lado, Marinho acrescentou uma lista de 29 direitos que não podem ser reduzidos por negociação, como a liberdade sindical e o direito de greve, o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e o salário mínimo.

Acesse Piauí

sobre o autor

DEIXE UM COMENTÁRIO


POSTS RELACIONADOS

Jaicós 0 Comments

Polícia prende dupla de Padre Marcos por roubo de moto em Francisco Santos; veículo foi recuperado; veja fotos

Uma dupla acusada de tomar uma motocicleta de assalto no início da tarde desta quinta-feira, 23, no município de Francisco Santos, foi presa horas depois por policiais militares da 3ª

DESTAQUES

Polícia Civil confirma prisão de 18 pessoas em 24 horas de operação no Piauí

Um sargento da Polícia Militar está entre os presos da Operação Piauí Seguro. Ele foi preso na manhã desta terça-feira (14). Ele é suspeito de crime sexual contra uma criança

DESTAQUES 0 Comments