Volta às aulas presenciais exige motivação dos estudantes
Publicado por: Vitória Lima | Data: 16/02/21

Volta às aulas presenciais exige motivação dos estudantes

Após quase um ano de portas fechadas por conta da pandemia do novo coronavírus, o mês de fevereiro marca a reabertura de escolas na maioria dos estados. No entanto, o retorno das aulas tem sido cercado de protocolos de segurança e higiene. Algumas escolas começaram apenas com o ensino remoto e, gradativamente, irão retornar as atividades na escola. Outras começaram de forma híbrida de aulas: parte virtual, parte presencial.

Neste momento, além dos cuidados com o distanciamento social, higiene constante das mãos e uso de máscara para minimizar o risco de transmissão do novo coronavírus, é preciso também cuidado especial com a parte emocional de cada estudante, já que muitos voltam desmotivados e com perdas de aprendizado.

Segundo dados do Fundo Internacional de Emergência das Nações Unidas para a Infância (Unicef), cerca de 44 milhões de crianças e adolescentes passaram da sala de aula para o ambiente online devido à pandemia em 2020 no Brasil. Destes, 5,5 milhões não conseguiram continuar o aprendizado em casa, abandonando os estudos.

A pedagoga Bruna Duarte Vitorino diz acreditar que 2021 será importante para recuperar conteúdos. “Ainda estamos em um momento de incertezas, por isso, muitos alunos ainda estudarão de maneira remota e precisam se esforçar um pouco mais para manter o ritmo de estudos a distância. Este também será um ano fundamental para a recuperação de conteúdos que não foram consolidados em 2020. É importante identificar a situação da aprendizagem de cada criança e oferecer recursos para que ela consiga recuperar os conteúdos perdidos”.

Os pais têm papel fundamental neste atípico retorno às aulas. Se antes a adaptação escolar já exigia atenção especial, agora há diversos pontos a mais a se considerar. Quando o estudante não quer voltar às aulas presenciais, os pais e a escola devem formar uma rede de apoio sempre se comunicando para observar o comportamento da criança em casa e no retorno à escola.

“A criança quando bem amparada sente-se segura e consequentemente gosta mais do ambiente escolar. Os pais devem conversar com as crianças, escutar quais são seus receios e conversar mostrando os pontos positivos de voltar à escola”, sugere a pedagoga, que é coordenadora do Kumon, método que visa desenvolver o autodidatismo nos alunos .

Já nas famílias que optaram por não levar os estudantes para a escola, o esclarecimento é fundamental para que eles compreendam a decisão dos pais. “O diálogo sempre é a base para que a criança compreenda os direcionamentos dos pais. É fundamental explicar quais são os motivos que levaram a família a optar por não levar a criança à escola e não apenas impor, pois o autoritarismo não promove que a criança desenvolva a capacidade de refletir e fazer julgamentos, habilidades que serão exigidas delas futuramente”, completa Bruna.

Para quem está no ensino híbrido, os pais devem observar se o estudante mantém o foco nas aulas online, além de incentivar as conquistas. “O retorno para alguns dias presenciais já será de grande motivação para as crianças, pois poderão socializar, sair de casa e ter contato com os professores. Para manter a motivação em casa, os pais devem continuar prestando suporte, observando se estão atentos às aulas, elogiando a cada aprendizado novo e conversando para conhecer os sentimentos da criança”.

Seja a forma escolhida para a volta às aulas, o primeiro passo é os pais terem a segurança de enviar os filhos à escola, aconselha a pedagoga. “A postura de confiança dos pais ajuda muito para que as crianças sintam o entusiasmo para voltar. Se os pais não estão convictos, o melhor é não enviar, pois a criança perceberá e se sentirá insegura. Para aqueles que enviarão as crianças para as aulas é importante motivar e conversar com a criança mostrando todos os pontos positivos de ir à escola. Mesmo que a criança seja pequena, é importante conversar e escutar quais são as expectativas que a criança tem com o retorno”.

Controvérsia entre os pais

Entre os pais, a abertura das escolas tem sido um assunto controverso. Há uma parcela de pais ainda temerosa com a contaminação pela covid-19, enquanto outro grupo é a favor do retorno às aulas presenciais. É o caso dos pais da Isabela, a coordenadora de Comunicação, Maria Cecilia Floriano Stiipp Korek e o consultor de Planejamento Financeiro, Alexandre Korek.

A Isabela estuda em uma escola e está no 4º ano do Ensino Fundamental.

A Isabela estuda em uma escola e está no 4º ano do Ensino Fundamental. – Acervo pessoal

“Acredito que não somente a minha filha, mas muitas crianças estavam ansiosas para o retorno das aulas presenciais. Claro que as escolas precisam estar preparadas, seguras e seguindo todas as regulamentações. Visitei a escola da minha filha para verificar se estava tudo ok, assim poderia ficar mais tranquila em relação a este retorno presencial, e está sendo bem tranquilo. Ela ficou bem feliz em reencontrar os amigos e professores. Acho muito importante esta socialização, necessária para o desenvolvimento da criança”, afirma Maria Cecília.

A Isabela está no 4º ano do Ensino Fundamental. A mãe dela entende que ficaram falhas no aprendizado com a suspensão das aulas presenciais, mas a expectativa é que com o tempo isso será normalizado.

“Em relação aos estudos, sei que neste início ainda vai ser mais lento, porque estão revisando os conteúdos do ano passado, que pode ter deixado lacunas no aprendizado, mas acredito que tudo se regulariza aos poucos, então as expectativas precisam estar de acordo com este momento, foi preciso nos adaptar e nos adaptamos”.

Segundo a pedagoga, este período de isolamento social trouxe muito aprendizado para as famílias. “Neste momento, muitas crianças puderam observar de perto a rotina de trabalho dos pais e isso será um grande aprendizado. Os exemplos que as crianças estão observando em casa serão reproduzidos por elas. Se a família não tem uma rotina organizada, dificilmente esta criança terá, assim como se os pais não têm o hábito da leitura, será mais difícil fazer a criança ler. Por isso, é muito importante que os pais continuem oferecendo suporte aos filhos não somente com cobranças, mas também com atitudes e carinho”, finaliza.

Fonte: Agência Brasil

sobre o autor

POSTS RELACIONADOS

NOTÍCIA DESTAQUE

Professor da UFPI recebe alta após diagnóstico de cura da Covid-19

O professor da Universidade Federal do Piauí (UFPI) Cleanio Lima, de 40 anos, recebeu alta nesta segunda-feira (20/04) do hospital que estava internado em Teresina com Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. A

NOTÍCIA DESTAQUE

Prefeitos do Piauí repudiam declarações do presidente da Fecomércio

Os prefeitos do Piauí, por meio da Associação Piauiense de Municípios (APPM), emitiram nota de repúdio contra declarações feitas pelo presidente da Federação do Comércio do Estado do Piauí (Fecomércio),

NOTÍCIA DESTAQUE

Governo quer separar criminoso que rouba celular do que assalta banco

Na reforma administrativa um dos grandes impactos será na Segurança Pública, pelos menos é o que garante o governador Wellington Dias (PT). O governo irá lançar um novo programa que