Novo pacote de bondade do governo Dilma chega ao Minha Casa, Minha Vida
Publicado por: Danilo Bezerra | Data: 08/05/14
Comments 0

Novo pacote de bondade do governo Dilma chega ao Minha Casa, Minha Vida

A cinco meses da eleição, a presidente Dilma Rousseff divulgou nesta terça-feira, 6, mais um “pacote de bondades”. As medidas atingem, desta vez, beneficiários do Minha Casa Minha Vida e agricultores que tiveram problemas com a seca.

As famílias que foram contempladas com um imóvel do programa de habitação popular antes de 27 de agosto de 2012 e pagavam até hoje prestação que correspondia a 10% da renda familiar mensal vão ter de desembolsar metade do valor a partir da próxima parcela. Pelas estimativas do Ministério das Cidades, são quase 16 mil famílias organizadas por meio de cooperativas, associações e outras entidades.

O governo alterou naquela data as regras do Minha Casa para determinar que a prestação não poderia ultrapassar 5% da renda da família (antes era 10%) e que o valor mínimo de desconto seria de R$ 25 em dez anos (ante R$ 50). Essa medida passou a valer a partir de então, mas não atingiu os contratos assinados anteriormente.

A portaria de ontem regulamenta a aplicação dessa regra – desconto de no máximo 5% da renda familiar – para os contratos assinados antes do dia 27 de agosto, com efeito para as prestações que ainda vão vencer a partir de hoje. Como os beneficiários do programa dividem as prestações dos imóveis em dez anos, a medida implica desconto para as prestações que vão ser pagas até 2022.

“Ao se reduzir o valor de pagamento das parcelas, automaticamente aumenta o subsídio”, disse o Ministério das Cidades, em nota. De 2009 a 2013, o governo federal desembolsou R$ 73,2 bilhões em subsídios para os empreendimentos da faixa 1. Outros R$ 6,3 bilhões de subsídios foram destinados aos financiamentos imobiliários da chamada faixa 2 (famílias que ganham entre R$ 1,6 mil e R$ 3,275 mil).

A Bolsa Estiagem estava prevista para acabar em abril, mas Dilma desistiu de cortar a transferência de R$ 80 mensais a agricultores que tiveram problemas com a seca de 2012. Criada como ação emergencial em junho de 2012, o auxílio deveria durar 5 meses, mas alcançará ao menos 30. Já foi investido cerca de R$ 1,7 bilhão no programa.

Dados de fevereiro mostram que o custo mensal do programa era de R$ 95,1 milhões mensais para atender 1,3 milhão de pessoas. Se o número de atendidos continuar o mesmo, o benefício custará mais R$ 760 milhões até dezembro. O Planalto e o Ministério da Integração Nacional não informaram se o número de beneficiários diminuiu ou aumentou. Segundo a assessoria do governo, só depois da edição da Medida Provisória é que será feito o retrato da atual situação.

 

Fonte: Estadão

sobre o autor

DEIXE UM COMENTÁRIO


POSTS RELACIONADOS

POLÍTICA 0 Comments

Heráclito diz que vai procurar Wellington para ajudar o Piauí em Brasília

O deputado federal Heráclito Fortes (PSB) vai usar o trânsito livre que possui na Presidência da República, segundo ele, para ajudar o Piauí. Para isso, vai procurar o governador Wellington

POLÍTICA

Senado vai voltar aumento do Fundo de Participação dos Municípios

O Plenário do Senado deve votar esta semana a PEC 29/2017, que aumenta as receitas do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Os senadores já aprovaram o calendário especial para

POLÍTICA

Alepi tenta cortar gastos e institui programa de aposentadoria voluntária

A Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi) instituiu Programa de Aposentadoria Incentivada (PAI) dos servidores. A medida, segundo o Legislativo, é para tentar eliminar o excedente de gastos com pessoal. Podem