Delegado dá dicas de como se proteger de crimes virtuais durante a pandemia
Publicado por: Josely Carvalho | Data: 18/04/20

Delegado dá dicas de como se proteger de crimes virtuais durante a pandemia

Golpes na internet ligados ao novo coronavírus estão circulando desde o início do ano, mas se intensificaram após o alerta de pandemia. Os golpistas se aproveitam do aumento da busca de informações referente ao vírus e transfiguram links, aplicativos, sites e e-mails em ladrões de senhas e códigos maliciosos.

O delegado Matheus Zanatta, da Delegacia de Crimes Virtuais, disse que os golpistas usam temas atuais para praticar os crimes. Ele listou os principais golpes que estão circulando nas redes sociais.

Delegado Matheus Zanatta. Foto: Reprodução Rede Social. 

“Os golpistas estão mandando links ou aplicativos relacionados à pandemia. Os mais comuns são: faça o teste de coronavírus em casa de forma gratuita, receba máscara ou álcool em gel do governo federal de forma gratuita mediante cadastro, Netflix: assinatura de forma gratuita e faça o cadastro para receber o benefício do governo federal em sites não oficias”, disse.

Ainda conforme Zanatta existem formas de se prevenir contra crimes virtuais.

“Para nós evitarmos esses tipos de golpes, a vítima deve sempre fazer a verificação em duas etapas, tanto nos aplicativos como nos e-mails. Outra dica é sempre desconfiar de links enviados por e-mail ou redes sociais como, por exemplo, o WhatsApp. A vítima deve também ir nos sites oficiais do governo federal, municipal ou estadual para verificar a procedências dos links ou aplicativos”, disse.

Um recente levantamento da Apura Cyber Intelligence, uma empresa brasileira especializada em segurança nos meios digitais, apontou que foram identificados mais de 2.200 sites com domínios “coronavírus” e “Covid” suspeitos de serem fraudulentos no país. Outro dado que chamou a atenção foi número de eventos suspeitos relacionados ao tema. A empresa detectou mais de 128 mil.

Como denunciar?

Antes de registrar um boletim de ocorrência, é necessário coletar evidências para ajudar na comprovação do crime. As evidências podem ser e-mails, fotos, prints e até mesmo mensagem em rede social.

Com todos os dados em mão, é preciso que as evidências tenham autenticidade – ou seja, serem confirmadas que são verdadeiras. Para isso, a vítima pode registrar em cartório os documentos.

Após o processo, basta procurar uma delegacia de polícia para realizar um boletim de ocorrência. Crimes virtuais são tão reais quanto um assalto à mão armada.

Por: Jorge Machado, O Dia

sobre o autor

Josely Carvalho
Josely Carvalho 11190 posts

Jornalista e Relações Públicas, formada pela Universidade Estadual do Piauí.

POSTS RELACIONADOS

NOTÍCIA DESTAQUE

136 mil famílias do Piauí estão ameaçadas de não receber Seguro Safra

Agricultores de pelo menos 146 municípios do Piauí correm o risco de não receberem a quinta e última parcela do Garantia Safra deste ano. A parcela, que é de R$

NOTÍCIA DESTAQUE

Peste suína: Defesa Sanitária coleta amostras em outros municípios do PI

Equipes de fiscais agropecuários do Estado trabalham na coleta de amostras em regiões próximas ao município de Lagoa do Piauí, onde foi confirmado um foco de Peste Suína Clássica (PSC)

Belém do Piauí

Campanha Agosto Dourado incentiva a amamentação em Belém do Piauí

“Empoderar mães e pais, favorecer a amamentação. Hoje e para o futuro!”. Esse é o tema da semana mundial do aleitamento materno. No Brasil,  a Campanha Agosto Dourado promove uma