Governo do Piauí questiona ato do Ministério da Fazenda que encerrou serviço de loteria do estado
Publicado por: Junior Oliveira | Data: 19/05/17

Governo do Piauí questiona ato do Ministério da Fazenda que encerrou serviço de loteria do estado

O governador Wellington Dias (PT) questionou nesta quinta-feira (18) o ato administrativo do Ministério da Fazenda que determinou o encerramento da exploração de todos os produtos lotéricos ofertados diretamente pelo estado em desacordo com os normativos vigentes. Dias ajuizou no Supremo Tribunal Federal (STF) a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF 455), com pedido de liminar, contra ato administrativo. O ministro Luiz Fux é o relator.

Governador Wellington Dias
Governador Wellington Dias

Conforme os autos, a determinação do Ministério da Fazenda ocorreu sob alegação de que a União detém o monopólio da exploração de concursos de prognósticos numéricos. Porém, o governador sustenta que a decisão contestada impede o funcionamento da totalidade da loteria estadual do Piauí, “pois a submete aos limites tecnológicos, tipológicos e numéricos do ano de edição do Decreto nº 204/1967”.

O ato atacado confirma a possibilidade de operacionalização de jogos lotéricos desde que a exploração fique restrita à modalidade de loteria de bilhetes previamente numerados, inclusive com a comercialização da mesma quantidade de bilhetes e séries oferecidos ao público apostados na data de publicação do Decreto-Lei 204/1967. No entanto, fica mantida a vedação da exploração de loterias numéricas, instantânea “ou qualquer modalidade de loteria diversa da “aceitável”, o que acaba por inviabilizar a exploração do próprio serviço lotérico pelo estado”.

Para Wellington Dias, a decisão do Ministério da Fazenda constitui o ato que ofende frontalmente os preceitos fundamentais, entre eles, o pacto federativo. “Entender que a União goza de monopólio para explorar loterias, além de ser inconcebível sobre qualquer técnica hermenêutica que se adote, fere o pacto federativo, agravando o desequilíbrio fático que já se observa, a despeito de não encontrar respaldo constitucional”, alega, ao acrescentar que o único monopólio estabelecido em favor da União em relação a esse tema é o de legislar sobre sistemas de consórcio e de sorteios.

Assim, o governador pede liminarmente a suspensão dos efeitos do ato administrativo do Ministério da Fazenda e, ao final, a procedência da ADPF a fim de declarar à inexistência de monopólio, em favor da União, e garantir ao Piauí competência político-administrativa para explorar seu serviço lotérico.

Fonte: Portal AZ

DEIXE UM COMENTÁRIO


POSTS RELACIONADOS

POLÍTICA

Nelson Barbosa é o novo Ministro da Fazenda

Após várias especulações, o ministro Nelson Barbosa acaba de ser anunciado como o novo ministro da Fazenda, ocupando o lugar de Joaquim Levy,  que deixa o Ministério após sucessivos episódios onde foi

POLÍTICA

Governo reabre matrículas nesta 2ª após ter queda de 100 mil alunos

O governo do Estado confirmou nesta quinta-feira (8) que vai reabrir na segunda-feira, dia 12, as matriculas nas escolas estaduais. A deputada federal eleita e futura secretária Estadual de Educação,

POLÍTICA

De pai para filho: criação de novos partidos reforça poder das oligarquias no Piauí

O Tribunal Regional Eleitoral do Piauí (TRE-PI) registra a atuação de 32 partidos políticos no Estado. Desse total, apenas 11 possuem representação na Assembleia Legislativa. Apesar do número ser considerado

POLÍTICA

Datafolha para presidente por região e renda

Pesquisa Datafolha divulgada nesta sexta-feira (26) sobre a corrida presidencial mostra Dilma Rousseff (PT) com 40% das intenções de voto, Marina Silva (PSB) com 27% e Aécio Neves (PSDB) com

POLÍTICA

Dilma virá ao Piauí conhecer polo de energia eólica e a Transnordestina

O governador Wellington Dias (PT) anunciou nesta sexta-feira (6), durante a posse de sete novos secretários, que a presidente Dilma Rousseff cumprirá agenda no Piauí em breve. Na programação, a

POLÍTICA

Comissão rejeita priorizar processos de retomada de posse pelos estados

A Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados rejeitou na última quarta-feira (2) proposta que garante preferência nos processos discriminatórios estaduais – ações judiciais para devolver ao poder público terrenos