Enfermeiros e técnicos de enfermagem da rede estadual do Piauí iniciam greve
Publicado por: | Data: 25/06/20

Enfermeiros e técnicos de enfermagem da rede estadual do Piauí iniciam greve

Categorias de profissionais de saúde, como enfermeiros e técnicos de enfermagem, da rede estadual de saúde do Piauí, decidiram iniciar uma greve por tempo indeterminado nesta quinta-feira (25). A categoria reivindica o cumprimento de acordos firmados na greve ainda de 2019 sobre reajustes salariais acumulados desde 2012, e o pagamento de adicional de insalubridade de 40% para todos os profissionais.

O Governo do Estado, em nota, lamentou a decisão da categoria e informou que caso a greve se concretize, irá tomar medidas judiciais e administrativas para garantir o atendimento à população.

O secretário de governo Merlong Solano disse que não há como pagar o adicional de insalubridade exigido pela categoria, tanto por conta da queda na arrecadação do Estado, quanto por questões legais. “Estamos amarrados à lei que determina os percentuais de 5%, 10% e 20%, e esta está sendo cumprida”, disse.

Representantes de categorias de profissionais da saúde se reuniram diante do HGV, no Centro de Teresina — Foto: Divulgação/ Senatepi

A manifestação dos profissionais de saúde, mobilizada pelo Sindicato dos Enfermeiros, Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do Estado do Piauí (Senatepi), começou diante do Hospital Getúlio Vargas (HGV), por volta das 7h30, e seguiu com uma caminhada até o Palácio do Karnak, sede do governo estadual.

Por conta da greve, segundo Erick Ricelly, presidente do Senatepi, todos os serviços que não são de urgência e emergência oferecidos pelo estado devem sofrer redução de pessoal. “O atendimento nas áreas críticas não será prejudicado”, disse.

Em entrevista ao G1, Erick Ricelly lamentou que o estado pague um teto de 20% de adicional de insalubridade. “Todos os municípios estão pagando 20% de adicional, Teresina paga 20%. E temos municípios se organizando para pagar 40%. Enquanto isso, o governo do Estado não paga nem 10%”, afirmou.

Ainda segundo o sindicalista, a categoria busca que o estado cumpra o plano de progressão e promoções dos enfermeiros firmado em acordo em 2016, e previsto na lei estadual Nº 6.201. A categoria estaria trabalhando ainda sob o regime anterior a 2016.

“Em 2019, fizemos uma greve para obrigar o estado a cumprir, e aceitamos que isso fosse parcelado em três vezes. E o estado não cumpriu nem a primeira. Então, não podemos começar uma negociação com promessas”, disse.

Leia abaixo a íntegra da nota do Governo do Estado do Piauí:

Nota

O Governo do Estado lamenta a decisão do Sindicato dos Enfermeiros de deflagrar uma greve em meio ao maior desafio de saúde pública dos últimos 100 anos. Tal decisão pode trazer prejuízos vitais para a sociedade. Ressaltamos que todos os profissionais estão com salários em dia, que o adicional de insalubridade é pago normalmente, conforme determina a legislação estadual, e que não há falta de EPIs em nenhuma unidade de saúde, não havendo, assim, motivos para paralisação.

Ressaltamos ainda que, caso o movimento se concretize, o Governo irá tomar as medidas cabíveis por meio judicial e administrativo para garantir o atendimento pleno da população.

Fonte: G1 PI

sobre o autor

POSTS RELACIONADOS

NOTÍCIA DESTAQUE

Mulher fica ferida em acidente no Piauí

Uma mulher, ainda não identificada, ficou ferida após se envolver em um grave acidente de motocicleta na noite desta quarta-feira (19), por volta de 18h40, no cruzamento da BR 316

NOTÍCIA DESTAQUE 0 Comments

Vereador Iata Rodrigues pode deixar a base do Padre Walmir e se aliar a Gil Paraibano

Sentindo-se preterido pelos partidos pequenos que compõem a base de apoio ao prefeito de Picos, Padre José Walmir de Lima (PT), o PSB pode abandonar a aliança governista e se

NOTÍCIA DESTAQUE

Piauiense está desaparecido em São Paulo e família fica desesperada

A família está bastante aflita com o caso e pede ajuda. Segundo informações de familiares Jair não tinha costume de passar muito tempo fora de casa sem pelo menos avisar