Estados e municípios podem perder até R$ 40 bilhões de recursos da educação
Publicado por: Odaliana Carvalho Veloso | Data: 29/10/20

Estados e municípios podem perder até R$ 40 bilhões de recursos da educação

O terceiro volume do relatório de estudo sobre impacto fiscal da covid-19 na educação brasileira aponta que as redes estaduais e municipais devem perder entre R$ 13 bilhões e R$ 40 bilhões em tributos vinculados à MDE (Manutenção e Desenvolvimento do Ensino) neste ano, a depender do cenário de crise econômica agravada pela pandemia de covid-19.

A análise é do Instituto Unibanco e do Todos pela Educação. De acordo com o texto, somando os 38,3 milhões de estudantes das redes de Educação Básica, isso significaria uma redução média no investimento anual por estudante que pode ficar entre R$ 345, no melhor cenário, e R$ 1.038, no cenário mais pessimista.

A arredação dos estados e municípios não foi igual no período entre janeiro e agosto. O estudo mostra alguns tiveram uma arrecadação até melhor que em 2019 e outros tiveram prejuízo fiscal.

Em Mato Grosso, por exemplo, houve ampliação de 14,8% na arrecadação, ao passo que no Ceará a receita de tributos variou negativamente em 11,1%. Regionalmente, o padrão mais nítido é que os estados das regiões Nordeste, Sudeste e Sul, mais dependentes das atividades industriais e de serviços, têm tido perdas maiores se comparado ao Centro-Oeste e do Norte, em geral mais ligados ao setor agropecuário.

Paralelamente, o relatório traz um levantamento com 82 redes municipais de educação, que identificou um conjunto de gastos adicionais que variam de R$ 230 a R$ 490 por estudante matriculado, relacionados às despesas com ensino remoto, alimentação, comunicação com as famílias, patrocínio de pacotes de dados de internet e compra de materiais de higiene, situação que pode ser ainda mais complexa quando se considera que o retorno às aulas presenciais demanda outras despesas para readequação das escolas aos protocolos sanitários.

Já nas redes estaduais, estima-se que o gasto total das secretarias de Educação com ações extraordinárias de enfrentamento à pandemia no exercício de 2020 será de no mínimo R$ 2,1 bilhões, podendo chegar até R$ 5,3 bilhões.

Os organizadores do estudo entendem que é necessária uma ação do MEC (Ministério da Educação) para que não haja um colapso das redes públicas.

Para isso, o o estudo elenca uma série de ações como a criação de um processo de coordenação nacional para que se organize um retorno gradual e seguro às atividades escolares presenciais; a garantia de acesso gratuito à internet para fins educacionais; e a suplementação do orçamento dos programas Dinheiro Direto na Escola (PDDE) e Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).

E o mais importante é a regulamentação da lei do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica), para que os recursos possam ser distribuídos a partir de janeiro de 2021, principalmente para as redes mais vulneráveis.

Fonte: R7

sobre o autor

POSTS RELACIONADOS

DESTAQUES

Governo fará cortes na agricultura familiar e bolsa família em 2018

O governo apresentou nesta semana a proposta de orçamento definitiva para o ano de 2018 e, com isso, indicou os valores que vão estar disponíveis para serem aplicados em políticas públicas e

DESTAQUES

Após três dias, jovem de Pio IX continua desaparecido e família pede ajuda para encontrá-lo

Francisco Edimar de Sousa, conhecido popularmente como Nego do Piu, está desaparecido desde o último sábado (07), quando saiu ainda pela manhã para trabalhar, conduzindo uma moto, modelo Honda, de cor

DESTAQUES

Profissionais de saúde da rede estadual do Piauí suspendem greve após decisão do TJ

Categorias de profissionais da saúde, como enfermeiros e técnicos de enfermagem, da rede estadual de saúde do Piauí, decidiram suspender a greve deflagrada na última sexta-feira (25), após o Tribunal de Justiça