Renan Calheiros vai rejeitar decisão do presidente da Câmara de anular o impeachment de Dilma
Publicado por: Danilo Bezerra | Data: 09/05/16
Comments 0

Renan Calheiros vai rejeitar decisão do presidente da Câmara de anular o impeachment de Dilma

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse a senadores que rejeitará o pedido do presidente interino da Câmara, deputado Waldir Maranhão, que anulou a aprovação do impeachment pela Câmara e pediu que o Senado devolvesse o processo. Ele está no Senado para anunciar sua decisão em plenário. Quando chegou à Casa, após as 16h, Renan foi cercado pelo vice-presidente do Senado, Jorge Viana (PT-AC), que pediu que ele consultasse o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski. Renan vai declarar sua decisão ainda nesta segunda-feira, em uma “importante comunicação à Casa”.

— Estou na reta final da reflexão. Vou decidir de maneira consentânea com a democracia — disse Renan ao GLOBO ao chegar ao Senado. Renan quis manter o suspense e pediu que todos os senadores fossem ao plenário. O Senado já abriu a sessão desta segunda-feira, ainda sem nenhuma decisão tomada sobre o andamento do processo de impeachment.

Renan ficou sabendo da decisão de Maranhão ao desembarcar em Brasília e ficou “estupefato”, segundo senadores que se reuniram com ele. Renan esteve com o segundo vice-presidente do Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), e com o líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE).

JUCÁ: MISSÃO DE CONVENCER RENAN

Presidente em exercício do PMDB, Romero Jucá foi encarregado pelo vice-presidente Michel Temer de convencer Renan Calheiros de que a decisão de Waldir Maranhão de anular a sessão da Câmara que aprovou o impeachment, é “extemporânea” e, portanto, deve ser ignorada. Mais cedo, Jucá recebeu fundamentações legais dos advogados do PMDB e se dirigiu à residência oficial do Senado para aguardar Renan, que estava viajando de Maceió para Brasília. Na conversa com o presidente do Senado, Jucá apresentou os argumentos levantados pelos defensores do impeachment e, segundo relatos, Renan teria concordado com a impossibilidade de se anular a sessão neste momento da tramitação do impeachment, que já se encontra sob análise dos senadores.

Jucá classificou a decisão de Maranhão como “patetada” e “esdrúxula”. O senador não quis informar qual será a decisão de Renan, mas defendeu que o Senado mantenha o processo, alegando que ele é “correto juridicamente e equilibrado politicamente”.

— O presidente Renan virá dizer sua posição. Mas eu defendo que o processo continue. Foi uma decisão esdrúxula. Não é por causa de uma patetada e uma decisão esdrúxula que vamos mudar o nosso rito. Foram três patetas, vamos saber quem são até o final do dia — disse Jucá.

A interpretação dos líderes que se reuniram com Renan Calheiros é de que será mantido o cronograma da votação do processo do impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. Caso isso se concretize, a leitura do relatório da decisão da comissão especial, que aprovou o afastamento de Dilma na última sexta-feira, ocorrerá na tarde desta segunda-feira. Assim, começa o prazo de 48 horas para votação no plenário do Senado, prevista inicialmente para a próxima quarta-feira.

O presidente da comissão especial do impeachment, o senador Raimundo Lira (PMDB-PB) afirmou que não cabe mais à Câmara decisões sobre o processo de impeachment, já que o processo já foi protocolado no Senado:

— Essa decisão do presidente interino da Câmara foi essencialmente política. Não tem nenhuma validade, porque a sessão do Senado foi realizada seguindo rigorosamente o que determinava a decisão do Supremo Tribunal Federal. No momento que a Câmara protocolou no Senado a denúncia, a Câmara não tem mais nada a ver com ele. Esse processo pertence agora exclusivamente ao Senado Federal.

O senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), que saiu junto com Renan para o Senado, disse que o presidente vai “ler o relatório, votar na quarta-feira e tocar pra frente o processo”. Já o líder do PSB no Senado, Antônio Carlos Valadares (SE) disse que não há mais chances do processo ser interrompido pela Câmara dos Deputados. — Acabou, sem chances — declarou Valadares.

CAIADO: “CINCO MINUTOS DE FAMA PARA O INTERINO”

Senadores favoráveis ao impeachment defendem que Renan ignore a decisão de Waldir Maranhão, não devolva o processo à Câmara e, em vez disso, dê prosseguimento a ele. — A decisão de Waldir Maranhão não tem valor algum. É apenas um momento de desespero do governo e cinco minutos de fama para o interino. A decisão do plenário é soberana e ele sabe disso. Entrou no jogo apenas para atender seus patrões — disse o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) antes de participar da reunião com Renan.

Depois do encontro com Renan, Caiado afirmou que Maranhão agiu juntamente com o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, e com aliados de Dilma, no sentido de tentar evitar a votação do impeachment pelo plenário do Senado no próximo dia 11. — A Casa não tem que se subordinar a esse escárnio, Com exceção dos parlamentares do PT, todos os senadores (inclusive o presidente) tiveram essa posição de manter a decisão. É um desrespeito completo — disse Caiado.

Para o presidente da comissão do impeachment no Senado, não há fundamento jurídico para interromper a tramitação do impeachment: — Segue absolutamente normal. Não há nenhuma razão jurídica para não seguir. Eu quero tranquilizar o Brasil. Essa decisão tumultuou a economia brasileira, o processo político. Não foi boa para o Brasil. Temos que ter responsabilidade, a calma e, sobretudo, a serenidade para não criar nenhum fato novo para complicar a vida brasileira. Não tem nenhuma eficácia. Hoje, (o processo de impeachment) pertence ao Senado Federal — avaliou Raimundo Lira.

Lira afirmou também que a leitura do parecer do senador Antonio Anastasia (PMDB-MG) pode ser feita até o final do dia, pois o cronograma do processo fala em 48 horas para o anúncio em plenário e não em dias. — O interstício não fala em número de dias após a leitura, fala em 48 horas. Independente do horário que for lido hoje, a sessão para a votação acontecerá na quarta-feira — declarou.

JORGE VIANA: “PROCESSO ESTÁ VICIADO”

Senadores favoráveis a Dilma, como Paulo Rocha (PT-PA), Gleisi Hoffmann (PT-PR) e Fátima Bezerra (PT-RN), Lindbergh Farias (PT-RJ), José Pimentel (PT-CE), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e Jorge Viana (PT-AC) também foram à residência de Renan. Segundo Caiado, o presidente do Senado está ouvindo todo mundo separadamente.

O senador Jorge Viana (PT-AC) em sessão no plenário nesta segunda-feira – Jorge William / Agência O Globo

O vice-presidente do Senado, Jorge Viana, que é contrário ao impeachment, deixou o local rumo ao Senado apíos alguns minutos com o presidente da Casa. Ele abriu a sessão ordinária durante a tarde, mas não adiantou oficialmente o que ocorrerá com o processo de impeachment. Viana apenas avisou que, por enquanto, não iria ler no plenário a decisão da comissão especial que admitiu o afastamento de Dilma.

— Vou abrir a sessão e vamos discutir. Não vamos ler nada. Essa é uma questão muito grave, que todos nós vamos opinar. Na minha opinião, ou devolve para a Câmara, ou no mínimo cabe uma consulta ao Supremo. Com certeza essa questão vai ser judicializada — disse Jorge Viana, que não quis adiantar se o PT ou o governo vai entrar com recurso no Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender o processo se Renan não o devolvê-lo para a Câmara.

Viana destacou que o pedido de impeachment foi aceito pelo presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Na última quinta-feira, o Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e determinou a suspensão do mandato de Cunha e, consequentemente, seu afastamento da presidência da Casa. Por 11 votos a 0, os ministros concluíram que Cunha usou o cargo em proveito próprio, seja para pressionar empresários a fim de receber propina, seja para atrasar o andamento do processo que pede sua cassação no Conselho de Ética da Câmara.

— Do meu ponto de vista esse processo está viciado, e a prova é o afastamento de Eduardo Cunha por 11 a 0 no Supremo. Está cada vez mais caracterizado que esse processo de impeachment é uma fraude — disse Viana.

Ao sair da reunião com Renan, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) confirmou que a tendência do presidente do Senado é fazer a leitura do relatório no plenário e continuar com a processo de impeachment.

— Não teve nenhuma reunião formal de líderes. Vários senadores, em momentos diferentes dialogaram com o presidente Renan. Tudo indica que a decisão do presidente será fazer a leitura do relatório da comissão especial. A tendência da posição dele é nesse sentido. Houve um apelo feito principalmente pelos líderes e senadores do PT e do PCdoB, mas o presidente está convencido de que o ato do presidente da Câmara foi ilegal, intempestivo e que, salvo se tiver uma decisão do Supremo Tribunal Federal não há de se falar na suspeição da leitura — declarou Rodrigues.

REUNIÃO COMEÇA SEM DECISÃO

A sessão desta segunda-feira foi aberta pelo primeiro vice-presidente do Senado, Jorge Viana (PT-AC), para debates. Estava prevista para as 16 h a leitura do parecer do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), aprovado na sexta-feira pela comissão especial do Senado que analisou o processo de impeachment. A senadora Ana Amélia (PP-RS) questionou, logo no início da sessão, se a leitura estava mantida.

— Como o Senado reagirá a essa manifestação intempestiva da Câmara? — questionou Ana Amélia.

Viana disse não ter informação se isso será mantido ou não, diante da decisão de Maranhão:

— Nesse momento, o presidente Renan está consultando o regimento e todo o aparato que rege o processo de impeachment, para tomar uma decisão sobre esse posicionamento do presidente da Câmara interino. A princípio está marcado para 16 horas da tarde a leitura. Não estou afirmando que irá acontecer ou não. Teremos uma manifestação ainda hoje do presidente Renan.

O tema monopoliza os debates do início da sessão. Parlamentares favoráveis ao impeachment atacam a decisão de Maranhão.

— Essa é uma decisão que mais se parece com golpe. Nos últimos dias se debateu muito sobre golpe, mas o verdadeiro golpe é este, contra a instituição parlamentar — disse o líder do PV, Alvaro Dias (PR).

Fonte: O Globo

sobre o autor

DEIXE UM COMENTÁRIO


POSTS RELACIONADOS

POLÍCIA

Acusado de matar piauiense no DF é indiciado por mais sete crimes

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) indiciou o cozinheiro Marinésio Olinto, 41 anos, acusado de assassinar a piauiense Genir Pereira, por outros sete crimes que tiveram oito mulheres como vítimas,

DESTAQUES

DNOCS briga na justiça para retirada de famílias dos tabuleiros litorâneos

O Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS) briga na justiça para retirada de famílias que vivem no perímetro irrigado dos Tabuleiros Litorâneos, na Zona Rural de Parnaíba. Segundo

DESTAQUES

Adolescente de Vila Nova do Piauí participa de Encontro Sul-Americano de Crianças e Adolescentes no Rio de Janeiro

A vilanovense, Heloísa Ramos, representante do segmento do Conselho Estadual dos Direitos das Crianças e Adolescentes do Piauí (CEDCA-PI) participou do Fórum Nacional de Defesa das Crianças e Adolescentes (FNDCA)