Governo economizará menos de 0,01% com corte em ministérios
Publicado por: Francieldo Araújo | Data: 15/03/19

Governo economizará menos de 0,01% com corte em ministérios

A redução do governo federal em ministérios teve impacto ínfimo no orçamento da união. Comparado ao gasto anual de mais de R$ 316,7 bilhões, a economia de 20,5 milhões com a a redução no número de ministérios de 29 para 22 representa uma economia ínfima inferior a 0,01%.

A extinção de 21 mil cargos, funções e gratificações, conforme o Decreto nº 9.725/2019, publicado na última quarta-feira (13), fazem a economia de gastos com pessoal crescer para R$ 195 milhões no total. Mesmo praticamente multiplicado por dez, o impacto no orçamento continua baixo, passando para 0,06% em um universo de montantes anuais na ordem dos bilhões.

“Esse dado não surpreende”, diz o professor do Insper Sérgio Lazzarini, que pesquisa estratégias e organização no setor público. “Existe essa percepção da população de que tem um monte de gente empregada em Brasília, que é só cortar da estrutura inchada, mas a gente sabia que esse não era o problema”.

Para o especialista, as medidas têm um caráter simbólico. Lazzariniaponta que as ações fazem parte da construção do discurso político do presidente eleito. “É um ‘mise-en-scène’, uma estratégia. Não que ela seja irrisória ou desnecessária. Tem um efeito importante. Mostra que o governo está se preocupando com seu próprio gasto”.

As despesas de pessoal do governo crescem gradativamente a cada ano. Há cinco anos, em 2014, o total gasto foi de R$ 238 bilhões. Subiu para R$ 255 bi em 2015 e para R$ 276 bi em 2016. Em 2017, chegou a R$ 304 bi até atingir os R$ 316,69 bi de 2018.

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) empossa Paulo Guedes como ministro da Economia, no Palácio do Planalto, em Brasília, nesta terça-feira (1º). (01/01/2019).

MP depende de aprovação

Apesar de o impacto financeiro ser pequeno, o governo ainda terá que se esforçar para implementá-lo definitivamente. Isso porque a Medida Provisória nº 870, que reorganizou os ministérios, ainda precisará de aprovação no Congresso. Para não perder o efeito, a MP, apresentada no dia 1º de janeiro, será votada até junho na Câmara. Por isso, ganhará caráter de urgência já a partir do dia 22 de março.

A tendência é que a medida seja aprovada, mas não sem algumas alterações. A MP já recebeu mais de 500 emendas e poderá se transformar em uma moeda de troca no Congreso, de acordo com o professor do Insper Sérgio Lazzarini. “Renovamos alguns nomes, mas não o modus operandi. Estamos vendo que os políticos ainda estão atrás de cargos”. Segundo o pesquisador, os partidos que dão sustentação ao governo vão querer algum tipo de compensação, incluindo cargos no Executivo.

Fonte: Terra


ACOMPANHE O PORTAL NAS REDES SOCIAIS:
@cidadesnanet
Facebook.com/cidadesnanetoficial

sobre o autor

DEIXE UM COMENTÁRIO


POSTS RELACIONADOS

POLÍTICA

Piauí terá que pagar R$ 21 milhões por mês para quitar precatórios até 2020

O Supremo Tribunal Federal (STF) definiu ontem (25) que os governos estaduais devem quitar as dívidas oriundas de precatórios até 2020, antes esse prazo era de 15 anos. Os precatórios

POLÍTICA

Júlio Arcoverde confirma para dia 29 filiação de 10 prefeitos ao PP

O Progressistas, presidido no Piauí pelo atual secretário de Esportes e Lazer (Semel) de Teresina e deputado estadual licenciado, Júlio Arcoverde, confirmou que no próximo dia 29 de abril, o

POLÍTICA

Partidos se unem de olho em 2018

Dirigentes de sete partidos políticos se reuniram na terça-feira (17) em Teresina para discutirem uma coligação nas eleições estaduais do próximo do ano. O bloco deve ser composto por PV,